Assinantes de O Progresso recebem 4ª edição do guia ‘Cidade Ternura’

    Publicação ganha novo formato, mais páginas e qualidade de impressão

    405
    Guia turístico e gastronômico chega à 4ª edição
    Publicidade
    Alessandra Bonilha, dra
    Siltec

    Os atrativos turísticos mais significativos, os títulos históricos mais relevantes, atividades de lazer, agenda de eventos, agenda musical e as principais opções de gastronomia na cidade. O Guia Turístico e Gastronômico “Tatuí Cidade Ternura” reúne todas estas informações na quarta edição, que chega aos assinantes e nas bancas neste domingo, 14.

    O bissemanário distribui a publicação como encarte especial, gratuitamente, para os assinantes e, ainda, dentro dos exemplares do jornal nos pontos de venda avulsa, como as bancas de revista.

    Publicado em parceria com o jornal O Progresso, o guia foi lançado no sábado, 6, em primeira mão, junto à sétima Feira do Doce, que aconteceu entre os dias 6 e 9 de julho, na Praça da Matriz.

    Um primeiro lote foi entregue, na sexta-feira, 5, à Secretaria Municipal de Esporte, Cultura, Turismo, Lazer e Juventude, para ser utilizado na divulgação do município durante a festa. Um segundo lote será enviado à pasta nesta próxima semana.

    Em simultâneo, também já estão sendo encaminhados lotes da publicação a pontos de interesse turístico e a órgãos municipais que atuam na área, como o Comtur (Conselho Municipal de Turismo).

    Publicidade
    Alessandra Bonilha, dra
    Siltec

    A publicação chega à quarta edição neste ano trazendo novidades na versão 2019/2020. Apesar de atualizado, mantém o objetivo de apresentar pautas elaboradas a partir de informações interessantes tanto a tatuianos quanto para turistas.

    O guia chama para as festas, eventos, destaca as tradições locais e enumera, em detalhes, as atrações turísticas do município. Os assuntos, divididos em capítulos, são apresentados em pequenas reportagens, todas com conteúdo e imagens atualizados.

    No primeiro bloco, consta o calendário cultural e turístico do município, no qual estão listadas as atividades culturais e gastronômicas por meses do ano.

    As atrações começam em fevereiro e seguem até dezembro, com informações relativas ao Carnaval de rua e nos clubes, bailes de salão, eventos religiosos e outras atrações.

    Na seção “história”, a publicação explica como surgiram os principais títulos tatuianos: “Capital da Música”, “Cidade Ternura” e, mais recentemente, “Terra dos Doces Caseiros”.

    A figura do escritor tatuiano Paulo de Oliveira Leite Setúbal também está presente na publicação. Tido como principal expoente da literatura tatuiana, ele dá nome ao museu histórico do município e a uma das praças centrais.

    Na sequência, o guia apresenta as atrações turísticas. São dezenas de páginas contendo informações diversas, entre as quais, sobre a capela de São João do Bemfica (marco inicial da cidade), o Centro Hípico de Tatuí, o Conservatório, a estação ferroviária e as antigas fábricas de fiação.

    Também estão presentes informações sobre a Capela do Divino, Igreja Matriz Nossa Senhora da Imaculada Conceição, Santuário Nossa Senhora de Fátima, Mercado Municipal “Nilzo Vanni” e o Parque Ecológico Municipal “Maria Tuca”.

    O guia ainda apresenta a avenida Cônego João Clímaco de Camargo (avenida das Mangueiras), o Aeroclube de Tatuí e a Fazenda Maria. Espaços como o Sítio do Carroção e o Sítio Santa Rosa complementam a seção de atrativos.

    A seção dos classificados, por sua vez, engloba hotéis, espaços para diversão e arte e prestadores de serviços de locomoção, abrangendo, ainda, todas as categorias de bares e restaurantes.

    De modo a privilegiar estes setores da economia local e reunir o maior número de empreendimentos, o guia mantém a dinâmica da primeira edição, pela qual a divulgação nos classificados acontece gratuitamente.

    Por meio desta iniciativa, a publicação visa prestigiar o comércio do município e, também, apresentar todas as informações possíveis e pertinentes sobre os produtos e prestadores de serviços de interesse turístico.

    Ao compilar dados do turismo e da gastronomia, juntando-se bares, cafés, restaurantes, hotéis e espaços de diversão e arte, a publicação vai além das informações básicas dos guias comuns, buscando tornar-se um efetivo material de consulta, útil a turistas e tatuianos.

    Outro aspecto significativo da publicação é a de que, muito antes de a cidade alcançar o título de MIT (município de interesse Turístico) do estado de São Paulo, o objetivo maior já era promover o potencial da Cidade Ternura como real opção de turismo.

    A primeira edição, com esse propósito, inclusive, nasceu em 2016, em um momento em que nada ainda havia de concreto acerca das verbas garantidas pelo MIT. A publicação acabou concluída, assim, apenas com o apoio da iniciativa privada.

    Na prática, o guia “Cidade Ternura” se somou aos esforços da sociedade civil, de autoridades e, particularmente, da prefeitura e do Comtur para que Tatuí fosse reconhecida como MIT.

    “Esforços que, acima de tudo, estiveram corretamente afinados com a música, que é tida como a maior virtude local”, acentua o editor da publicação, Ivan Camargo.

    Não por acaso, inclusive, a versão 2018/2019 do guia já apresentava uma novidade: todos os principais eventos promovidos pelo Conservatório ao longo do ano.

    Esse conteúdo veio a compor a “agenda musical”, que, na versão atual, 2019/2020, passa a ser ilustrada, com fotos correspondentes a cada um dos eventos musicais.

    Por todos os aspectos, a música segue ganhando atenção especial no guia, que, novamente, já a evidencia na capa, com a imagem de uma apresentação do Grupo de Música Raiz do Conservatório, no teatro “Procópio Ferreira”, à frente de um cenário assinado pelo artista plástico Jaime Pinheiro, que retrata a cultura caipira.

    Além disso, a maior novidade de 2019/2020 é a reconfiguração do guia em novo formato, mais adequado ao manuseio recorrente – ao uso contínuo como material de consulta – e, ainda, com mais qualidade de impressão, durabilidade e acabamento.

    Isto porque deixa de ser editado em jornal e passa para papel branco, impresso em máquina plana, o que garante qualidade superior tanto nas imagens quanto no enquadramento das páginas – as quais saltaram de 52 para 76.

    Publicidade
    Siltec
    Alessandra Bonilha, dra