28o Rally dos Sertões terá novo formato

‘Maior rali das Américas’ percorrerá 4.749 quilômetros; equipe de Tatuí participa

334
Piloto e chefe de equipe tatuiana, Edu Piano competirá no Sertões pelo 25º ano (Foto: Vinícius Ferraz/Fotop)
Publicidade
Da redação

Considerado o “maior rali das Américas”, em 2020, o Rally dos Sertões se transforma no “Rally da Solidariedade”. A intenção dos organizadores é levar cestas básicas e telemedicina para “lugares remotos e carentes” do país.

Uma série de mudanças e o roteiro do evento, que contará com protocolo de segurança, devido à pandemia, foram anunciados na quarta-feira, 19, em evento “virturreal”, realizado no estilo “drive-in”, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, e, simultaneamente transmitido pelo YouTube.

Conforme a organização, “a missão da prova, neste ano, é levar acesso à medicina de qualidade e fomento econômico para as comunidades remotas e carentes do Brasil”. “O Sertões sempre teve no rastro da competição uma expedição de médicos voluntários, deixando um legado social por onde passa”, afirma a organização.

Desta forma, a realização do evento permitirá a instalação de cabines de telemedicina para atendimento médico gratuito de qualidade, além do legado econômico, através da aquisição de cestas básicas de pequenos produtores locais, que serão distribuídas às pessoas da região que estão sem trabalho e renda.

Devido à pandemia, a organização deve seguir um rígido protocolo de segurança. O rali se deslocará “de bolha em bolha”, ao invés do modelo tradicional, de cidade em cidade.

Publicidade

Todos os acampamentos (bolhas) são “lacrados” e, segundo os organizadores, quem romper o isolamento será desclassificado da prova.

Diferentemente das edições anteriores, não haverá público nas largadas ou chegadas de nenhuma das sete etapas da prova. Somente pessoas credenciadas e com teste negativo para Covid-19 poderão circular nas bolhas.

Tradicionalmente realizado em agosto, a 28ª edição do Rally dos Sertões tem a largada prevista para o dia 1º de novembro, um domingo, e a chegada, marcada para 7 de novembro.

Neste ano, a largada acontecerá no Autódromo Velo Città, em Mogi Guaçu (SP), e a chegada, no município de Barreirinhas (MA). O “Sertões” percorrerá 4.749 quilômetros, passando por sete bolhas nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Distrito Federal, Tocantins e Maranhão.

A programação do evento será iniciada no interior paulista, dia 31 de outubro, com a disputa do prólogo, de 300 quilômetros, para definir a ordem de largada, e, no dia seguinte, a competição começa oficialmente, com os competidores de motos, quadrículos, UTVs e carros.

As cidades a sediar as etapas ainda não foram anunciadas pelos organizadores. Até o momento, foram divulgadas as distâncias entre as sete bolhas: a primeira etapa terá percurso de 1.305 quilômetros; a segunda, de 519 quilômetros; a terceira, 369; a quarta, 641; a seguinte, 612; a sexta, 791; e a última, 512 quilômetros.

O percurso que os competidores enfrentarão é superior à distância dos municípios de Oiapoque (AP) a Chuí (RS) – localizados nos extremos norte e sul do país – de, aproximadamente, 4.175 quilômetros.

De acordo com Joaquim Monteiro, CEO do Sertões, assim como os grandes eventos esportivos, o Sertões está se “reinventando”. Segundo ele, “com segurança, o evento possibilitará a reativação de economias locais e cuidados a quem precisa”.

“Adiar a prova, em tese a opção mais fácil, porém, seria abandonar quem sempre nos acolheu. Sertões representa superação. Nosso DNA fala mais alto. Vamos enfrentar mais esse desafio”.

“Vamos levar esperança às pequenas cidades que há 27 anos recebem o Sertões com tanto carinho e hoje estão impactadas financeiramente”, declarou Monteiro.

Edgar Fabre, diretor técnico do Sertões, aponta que a 28ª edição do evento será um rali de estratégia. Conforme o diretor, a organização optou por priorizar a técnica de pilotagem e a “arte” da navegação. “O conjunto piloto/navegador será testado arduamente, principalmente nos três primeiros dias”, garantiu.

O paulistano Edu Piano, morador de Tatuí há dez anos, segue para a 25ª participação consecutiva e sendo um dos recordistas de títulos na competição, com oito conquistas: uma na geral dos carros, seis nos caminhões e um nos UTVs.

Piloto, chefe e preparador de veículos “off-road” da equipe tatuiana de rali, a Território Motorsport, Piano se mostrou satisfeito com o roteiro e animado para a disputa da nova edição do Sertões. “Espero que seja uma prova bem dura porque, como sempre, gostamos de roteiros difíceis e desafiantes”, declarou.

“Os organizadores estão de parabéns pelo novo formato e pela maneira encontrada para viabilizar a prova. Essas mudanças foram necessárias para tornar o nosso rali mais seguro, mas todos precisam colaborar com essas novas medidas”, completou Piano.

Publicidade