‘Música na Praça’ homenageia Bimbo Azevedo por 130 anos de nascimento

1264
Claudio Camargo e estátua dedicada a Bimbo Azevedo (foto: AI Prefeitura)

O projeto Música na Praça, ação cultural da Prefeitura, em parceria com o Conservatório de Tatuí e apoio cultural da Coop, realiza neste sábado, 24, edição especial em homenagem aos 130 anos de nascimento de Bimbo Azevedo, com a participação especial de Magali Ribeiro, cantando “Dirce”, um clássico do compositor, e apresentação musical da Jazz Combo do Conservatório de Tatuí.

O evento marcará, também, a entrega do restauro da estátua de Bimbo Azevedo, realizado pelo artista plástico Cláudio Camargo.

Especialmente nesta semana, o evento tem início às 10h, com uma diversidade de ações: Feira da Saúde; entrega do mobiliário urbano para revitalização da Praça da Matriz, ação coordenada pelo projeto Abrace Tatuí, do Fusstat (Fundo Social de Solidariedade de Tatuí), em parceria com a ACE (Associação Comercial e Empresarial) e empresários locais; e reinstalação do monumento de Bimbo Azevedo, devidamente restaurado; além da revitalização dos painéis informativos, na Casa de Bimbo Azevedo, sobre a vida e obra do compositor, músico e luthier tatuiano.

Bimbo Azevedo

Octávio de Azevedo nasceu em Tatuí em 30 de março de 1888 e tornou-se popularmente conhecido como Bimbo Azevedo, tendo, desde a infância, apresentado interesse pela música.

Tocou bandolim, cavaquinho, piano, violão e violino. Aos 21 anos, deu início à composição de músicas, como a famosa valsa “Dirce”, que alcançou grande sucesso no Brasil.

A canção ganhou o primeiro lugar na categoria “melhor música popular e do estrangeiro”, no Chile, e ficou entre as dez primeiras classificadas no Concurso de Valsa, em Hamburgo, na Alemanha.

Na década de 20, participou de programas de música nas rádios Educadora, de São Paulo, e na Rádio Record. Já na década de 30, tocava nas sessões de cinema mudo da Cidade Ternura. Bimbo foi o primeiro violino, ou spala, da Orquestra Sinfônica do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, de Tatuí.

“As canções dele contam com originalidade da melodia, que buscava a perfeição na harmonia, e uma notável identificação musical com gosto popular da época”, ressalta a assessoria de comunicação da Prefeitura.

Devido à extraordinária percepção musical, foi luthier, trabalho que praticava em sua residência, fabricando violinos e arcos. Na ocasião de seu falecimento, Bimbo deixou inacabados 17 violinos.

Além da imortalidade por meio das canções, Bimbo Azevedo está presente no “Hino a Tatuí” e no monumento situado na Praça da Matriz. A casa onde nasceu, viveu e morreu localizava-se na esquina da Praça da Matriz com a rua Coronel Aureliano de Camargo, onde se encontram situados os painéis que narram a história de vida dele.

Jazz Combo

A Jazz Combo do Conservatório de Tatuí apresentará o concerto “Trios”, lembrando a clássica formação de piano, contrabaixo e bateria, ao estilo samba-jazz, que se popularizou no Brasil entre as décadas de 1960 e 1970. O repertório tem composições de Edu Lobo, Milton Nascimento, Tom Jobim e muito mais.

Integrantes do grupo comentam que os trios foram muito importantes para o jazz e para a música popular brasileira, “pois tiveram papel fundamental na formação estética da MPB”.

“Principalmente, pelo movimento do samba-jazz, nas décadas de 1960 e 1970, que revelou a influência estadunidense sobre a música brasileira neste período”, destaca o baterista Everton “Barba”.

Neste espetáculo, a Jazz Combo, acompanhada de cantores e músicos convidados, apresenta uma seleção de obras inspiradas em gravações dessa época, quando importantes trios surgem com referência para outros cantores, como Milton Banana Trio (1966), Tamba Trio (1967), Jongo Trio (1965) e Zimbo Trio (1968), entre outros