Imagem de São João do Bemfica é devolvida a Tatuí depois de 42 anos

1868
Padre Tadeu, da Catedral de Sorocaba, no momento de devolução da imagem de São João do Bemfica (foto: AI Prefeitura)
Publicidade

Após 42 anos no Museu Arquidiocesano de Arte Sacra de Sorocaba, a imagem de São João do Bemfica está de volta a Tatuí. Para tratar da transferência, a prefeita Maria José Vieira de Camargo esteve em Sorocaba, na terça-feira, 31 de julho, quando foi recebida pelo arcebispo dom Julio Endi Akamine, da arquidiocese.

Com a prefeita, estiveram o padre Élcio Roberto de Góes (Santuário e Paróquia Nossa Senhora da Conceição, de Tatuí), o chefe de gabinete Christian Pereira de Camargo e Hélio de Barros.

A prefeita entregou ao arcebispo um ofício da Prefeitura de Tatuí requisitando que a imagem de São João do Benfica voltasse para o local de origem, destacando o valor histórico, cultural e religioso da peça sacra.

Maria José ainda levou uma carta assinada pelo bispo diocesano dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto, da Diocese de Itapetininga, com a mesma reivindicação.

Na carta de dom Gorgônio, ele relata “que a Imagem tem um valor histórico e religioso para o povo tatuiano; está ligada à fundação da cidade, que começou na pequenina capela de São João do Bemfica”.

Publicidade

Dom Julio atendeu de pronto a solicitação. A comitiva de Tatuí seguiu, então, para a Catedral de Sorocaba, onde foi recebida pelo padre Tadeu Rocha Moraes, que responde também pelas imagens do Museu Arquidiocesano de Arte Sacra de Sorocaba.

Lá, foi lavrado uma “declaração de devolução de acervo”, na qual, em um dos trechos, diz: “A Arquidiocese de Sorocaba cede em caráter definitivo, quaisquer direitos de posse da referida imagem, assim como quaisquer responsabilidades sobre a guarda e conservação da mesma”.

A imagem de São João do Bemfica regressou no mesmo dia a Tatuí. Ela voltará para o Santuário e Paróquia Nossa Senhora da Conceição.

A requisição da imagem de São João do Benfica pela então Diocese de Sorocaba, para ser levada ao Museu Arquidiocesano de Arte Sacra, aconteceu em fevereiro de 1976, por determinação de dom José Lambert.

Na época, um religioso de Tatuí, preocupado com a repercussão da medida tomada pela diocese diante da comunidade, chamou um repórter do “Integração” para registrar a transferência da imagem para o Museu Arquidiocesano de Arte Sacra de Sorocaba.

Capela restaurada

Na tarde de sexta-feira, 3, às 17h, a Prefeitura realizaria a entrega da restauração da Capela de São João do Bemfica, berço do nascimento de Tatuí, com uma missa celebrada pelo bispo diocesano de Itapetininga, dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto. Contudo, devida à chuva, cancelou o evento, informando que nova data seria definida.

Com o intuito de valorizar o patrimônio histórico e cultural de Tatuí, a reinauguração fará parte das festividades da 76ª Semana Paulo Setúbal e do aniversário do município.

A capela, tombada como patrimônio histórico e cultural de Tatuí, em 2 de junho de 2002, por meio de decreto municipal, está situada na estrada Moisés Martins, sentido distrito de Americana.

Em março de 2017, o teto da capela veio ao chão, por falta de manutenção. Desde então, a Prefeitura vem cuidando da restauração do local, por meio das secretarias de Obras e Infraestrutura e Esporte, Cultura, Turismo, Lazer e Juventude, além de apoio do Santuário e Paróquia Nossa Senhora da Conceição, que fez a compra de alguns materiais utilizados na reforma e restauração do local.

No entorno da capela, foram também realizadas obras de paisagismo e infraestrutura. A Família Provazi, representada por Alessandro Provazi, filho do dono das terras ao lado da capela, fez a doação de um espaço para a ampliação do acesso ao marco histórico, cultural e religioso de Tatuí.

A Capela de São João do Bemfica é o local onde, segundo registros históricos, surgiu o primeiro povoado de Tatuí, por volta de 1823.

De acordo com o historiador Renato Ferreira de Camargo, a povoação de “Nossa Senhora Del Populo” surgiu simultaneamente à fundação da Fábrica de Ferro do Ypanema, fundada pelos irmãos Cabral, Manoel Fernandes de Abreu e Martins Garcia Lumbria. A povoação pertencia ao distrito de Sorocaba e, mais tarde, deu origem a Tatuí.

Sabendo das atividades religiosas em Ypanema, a igreja transferiu o título de paróquia a uma capela construída pelo povo no sítio e povoado de “Tatuhú”.

São João do Bemfica foi condecorada com título de paróquia em 1818. No mesmo ano, os moradores de Tatuhú construíram uma nova capela, denominada São João Batista, no bairro do Bemfica.

Em 19 de agosto de 1817, o território de São João de Ypanema foi desmembrado de Sorocaba, e nele, criada uma paróquia, tendo como matriz a capela de São João, de propriedade da fábrica de ferro.

Em 22 de fevereiro de 1823, o padre Gaspar Antônio Malheiros, que assumira a capela dois anos antes, escolheu o território de Ypanema para a construção da igreja matriz. A imagem de São João Batista, porém, foi retirada pelos moradores de Tatuhú e colocada em uma capelinha do bairro.

A capela foi reconstruída em 1926, durante o governo Norman Bernardes, e reinaugurada com missa solene, em comemoração ao centenário de Tatuí.

Depois, em 1970, ela foi reconstruída novamente, por Laurindo Dias Minhoto, ano em que ele encontrou, nos campos do Bemfica, uma velha cruz de madeira, sob a qual mandou construir a capelinha de palhas de indayá.

Em sinal de protesto à decisão do padre – em transferir a matriz -, os moradores batizaram a capela de São João do “Bemfica”, indicando que ali, onde Tatuí nasceu, deveria ficar a paróquia.

Em 1971, a capela foi reformada, na gestão do prefeito Orlando Lisboa de Almeida, e, em 1999, restaurada, com mão de obra da Prefeitura e doação de parte do material pela comunidade. Em 2002, na gestão do ex-prefeito Ademir Borssato, nos mesmos moldes da reforma e restauração de 1971, a capela foi restaurada.

Publicidade