Em ação pela internet, músico Pacheco ganha homenagem do MHPS

46
Pacheco nasceu em Porangaba, mas construiu sua vida musical em Tatuí (Foto: AI Prefeitura)
Da redação

Neste mês, o Museu Histórico “Paulo Setúbal”, como parte do projeto #MuseuPauloSetúbalEmSuaCasa, disponibiliza em seu canal no YouTube um vídeo em homenagem ao músico Francisco de Souza Bueno, conhecido como Pacheco.

Produzido por Pedro Henrique de Campos, o vídeo foi gravado no dia 27 de setembro de 2019, durante a “Noite da Seresta com Ternura”. A homenagem integra o projeto “Ilustres Tatuianos”, uma ação colaborativa entre o museu e o Grupo Seresteiros com Ternura, que visa “salvaguardar a história de Tatuí e dos tatuianos”.

Para prestigiar a homenagem, basta acessar o endereço eletrônico: https://youtu.be/iMBqqKZSr7A.

Pacheco nasceu em Porangaba, no dia 11 de julho de 1936. Ele iniciou a vida musical aos 13 anos, tocando cavaquinho na Rádio Difusora de Tatuí e, quatro anos depois, passou a tocar no conjunto Ritmos de Mário Edson, também de Tatuí.

Em 1955, Pacheco se mudou para São Paulo e, convidado pelo músico Esmeraldino Salles, ingressou na Rádio e TV Tupi, onde acompanhou cantores renomados, como Cauby Peixoto, Hebe Camargo, Ângela Maria, Nélson Gonçalves e Luiz Gonzaga.

Entre as décadas de 1950 e 1960, tocou com grandes chorões, como Isaías do Bandolim, Evandro (Bandolim), Waldyr Azevedo e Sivuca.

Pacheco trabalhou em diversas boates, bares e casas noturnas de São Paulo, como Boate Oasis, Jardim de Inverno Fasano, Avenida Danças e Brasilian’s Bar.

Nessa época, tocou nos conjuntos do sambista Caco Velho e do acordeonista italiano Uccio Gaeta, além de ter acompanhado cantores como Altemar Dutra, Jair Rodrigues, Agnaldo Timóteo e Sérgio Reis.

Na década de 1960, ingressou no “melhor conjunto de bailes existente no Brasil naquela época”: o Super Som T.A. Lá, Pacheco tocou durante 15 anos antes de encerrar a carreira musical.

Entre os conjuntos musicais que integrou, Pacheco participou de diversos programas de TV, entre eles, “Almoço com as Estrelas”, da TV Tupi, “Astros do Disco”, da TV Record, “Programa Jô Soares” e “Programa Silvio Santos”, do SBT.

O homenageado atuou em várias capitais e no interior do Brasil, além ter tocado na Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile, Estados Unidos e Peru. Pacheco lecionou violão, guitarra, contrabaixo e cavaquinho no Conservatório Musical “Villa-Lobos” até o ano de 2001, quando se aposentou.

Como compositor, Pacheco possui diversas canções gravadas pela nova geração do choro, como as meninas do “Choro das 3” (Elisa, Lia e Corina), o conjunto paulistano de João Macacão (violão 7), e Adriano Amorim e Miltom Móri (bandolim), entre outros.

Regressando a Tatuí, fez parte do Grupo Seresteiros com Ternura, coordenado por Maria Inês Camargo, e tocou no conjunto “Choro Vivo”, de Zé Fiuza, de Cesário Lange. Atualmente, Pacheco integra o Grupo de Choro Mário Medeiros, de Tatuí.