Dois são presos em Tatuí suspeitos de envolvimento com facção PCC

883





Polícia Militar

Valmir Carlos de Oliveira, o ‘Gardenal’, é um dos detidos em Tatuí por conta de ação deflagrada na terça

 

Pelo menos duas pessoas foram presas em Tatuí por conta de ação conjunta realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), de Sorocaba, e Polícia Militar na terça-feira, 10. Denominada “Hamurabi”, a operação ocorreu na cidade e em mais quatro municípios.

Em Tatuí, os promotores do núcleo sorocabano do Gaeco cumpriram, ao lado de policiais militares, mandados de prisão e de busca e apreensão em dois bairros.

As equipes estiveram no Jardim Thomaz Guedes e na vila Esperança, lugares nos quais apreenderam dois adolescentes (de idades não divulgadas) e drogas.

Segundo o capitão Kleber Vieira Pinto, comandante da 2ª Companhia da PM, a operação também ocorreu em Sorocaba, Cerquilho e Itapevi, estendendo-se para a Grande São Paulo, em Barueri.

Ela é resultado de investigações realizadas nos últimos quatro meses e que identificaram “importantes lideranças” da facção criminosa que atua em presídios paulistas.

Informações extraoficiais dão conta de que os promotores suspeitam que o PCC (Primeiro Comando da Capital) estaria utilizando lava-rápidos de “fachada” para venda de drogas e “lavagem” de dinheiro.

“Não tivemos essa informação em Tatuí, mas as investigações estão em andamento”, declarou o capitão sobre as razões que levaram às prisões de Valmir Carlos de Oliveira, o “Gardenal”, na apreensão de dois menores na vila Esperança, e de Márcio de Oliveira, 39, no Jardim Thomaz Guedes. Os PMs e os promotores apreenderam, ainda, 30 porções de crack e quatro de maconha.

“Todos os suspeitos residiam nos locais vistoriados”, declarou Kleber. Conforme o capitão, os maiores de idade estavam com mandados de prisões temporárias expedidos pela Justiça, e os menores foram abordados em residências nas quais as equipes estava com mandados de busca e apreensão.

A suspeita, em Tatuí, é de que Gardenal e Oliveira possuem envolvimento com o PCC. Por conta disso, a PM mobilizou efetivo da Força Tática. “Deslocamos três viaturas, mas a ação envolveu homens dos batalhões de Itapetininga e de Sorocaba”, informou o comandante.

O Gaeco e a PM deflagraram a operação por volta das 6h. No decorrer do dia, as equipes transferiram os detidos em Tatuí para Sorocaba. “De lá, eles foram ouvidos e, posteriormente, levados a um CDP (Centro de Detenção Provisória)”, disse o capitão. Conforme ele, as remoções encerraram-se por volta das 17h.

A promotoria de Sorocaba também encaminhou os dois menores de idade para unidades da Fundação Casa. “Houve, primeiro, um auto de apreensão, depois, os adolescentes foram transferidos”, informou Kleber.

Em balanço divulgado na manhã de quarta-feira, o Gaeco informa que a operação para desbaratar o tráfico na região de Sorocaba resultou na apreensão de cinco quilos e meio de maconha, 160 porções de cocaína, 174 pedras de crack, uma porção bruta de crack e outra de cocaína, uma arma calibre 380 e R$ 2.000 em dinheiro.

Ao todo, foram expedidos 27 mandados de prisão e 12 de busca e apreensão, sendo 17 procurados pela Justiça detidos e outras quatro pessoas presas em flagrante. Em toda a operação, a PM empregou um contingente de 49 viaturas e 123 homens.

De acordo com o Gaeco, as pessoas investigadas ocupavam postos de “destaque” dentro da organização criminosa. “A operação significou um considerável revés às atividades da facção em Sorocaba e nas demais cidades referidas”, citam os promotores em comunicado à imprensa.

O Gaeco informou, também, que as investigações continuam. A expectativa é de que “outras prisões possam ocorrer” nos próximos dias, conforme o promotor criminal do Gaeco de São Paulo, Cláudio Bonadia de Souza.