Comerciante é a sétima ví­tima de homicí­dio do ano em Tatuí­

615





Luiz Abel Machado, 47, tornou-se a sétima vítima de assassinato registrado neste ano em Tatuí. O comerciante morreu de causa não constada em boletim de ocorrência, após desentendimento com um homem de 26 anos.

O próprio suspeito, Jeferson Roberto Figueiredo Freeman, acionou a Polícia Militar para relatar a morte. Equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) constatou o óbito por volta das 10h de sábado, 18.

Registrado como homicídio simples, o crime ocorreu na rua Ismênia Maria dos Santos, na vila Angélica. A PM recebeu o chamado na manhã do sábado.

Conforme o BO, o próprio suspeito ligou para o 190 e comunicou a morte do comerciante. Ele também teria aguardado a presença da equipe militar.

A PM relatou que o suspeito disse que a vítima era dona de um bar, na vila Angélica. Freeman teria afirmado para os militares que costumava frequentar o estabelecimento e que, na sexta-feira, 17, fizera uso de bebida alcoólica.

Ao final da noite, o suspeito disse que Machado convidou-o para beber cerveja na casa dele. Naquele momento, o comerciante fechava o estabelecimento. Freeman teria comentado com os PMs que havia aceitado e ido até o imóvel.

Na casa da vítima, os dois teriam ingerido bebida alcoólica e consumido cocaína. A residência que pertencia ao comerciante fica “praticamente” ao lado do bar.

Depois do consumo de droga, o suspeito teria relatado que Machado “mudou o comportamento”. A vítima teria “partido para cima” do acusado, tentando “obrigá-lo a fazer sexo”. Freeman relatou aos PMs que não aceitou a ideia e, por isso, se desentendeu com a vítima, entrando em luta corporal.

Após a troca de socos, o suspeito alegou que não se recordava de mais nada. Disse, ainda, que não sabia o que realmente havia acontecido na residência. Os PMs que atenderam à ocorrência disseram que Freeman comentou que não sabia dizer se chegou a desmaiar ou “apenas pegou no sono”.

Ao acordar, Freeman teria visto o comerciante ao lado da cama e verificado que ele estava sem vida. Imediatamente, acionou a PM para relatar o óbito.

Na sequência, os militares acionaram peritos do IML (Instituto Médico Legal), de Itapetininga, e transferiram o suspeito para o plantão da Polícia Civil. Na delegacia, ele recebeu voz de prisão, sendo indiciado por homicídio.

A Polícia Civil deve aguardar laudo da perícia para dar continuidade ao inquérito. A morte é a sétima registrada no ano em Tatuí, de acordo com dados da SSP (Secretaria de Segurança Pública) do Estado. Em 2014, a cidade registrou homicídios em janeiro (um), março (um), junho (três) e julho (um).