Cinco são abordados em ação que levou militares e civis a 4 bairros

328





Cristiano Mota

Capitão e policiais fazem policiamento preventivo em um dos dez pontos da cidade após ação

 

Residências localizadas no Jardim Santa Rita de Cássia, Valinho, São Judas Tadeu e centro receberam a visita de policiais militares e civis na manhã de sexta-feira, 6. As equipes estiveram em quatro propriedades para cumprir mandados de busca e apreensão.

Trata-se de operação conjunta solicitada a partir de determinação da SSP (Secretaria de Segurança Pública) do Estado de São Paulo.

A operação mobilizou “grande parte” dos efetivos das corporações, sendo acompanhada pelo comandante da 2a Cia. da PM, capitão Kleber Vieira Pinto, e pelo delegado titular do município, José Alexandre Garcia Andreucci.

A PM destacou policiais do efetivo administrativo para realizar os cumprimentos. Já a PC direcionou equipes de investigadores e escrivães para elaboração de boletins de ocorrência e de dois autos de prisão em flagrante.

Conforme o capitão, cinco pessoas acabaram sendo levadas às unidades da PC. Duas delas são mulheres. Dos cinco averiguados, um estava sendo procurado pela Justiça e outro recebeu voz de prisão por “posse ilegal de petrechos de armamento”.

As identidades dos suspeitos não foram divulgadas pelo comandante e pelo delegado. Kleber informou que duas pessoas detidas por tráfico estavam numa residência localizada na rua São Paulo, no centro. “Cada uma delas estava com uma determinada porção de entorpecentes”, disse a O Progresso.

Os policiais militares e civis iniciaram a operação às 8h. Ao todo, oito equipes atuaram no cumprimento de mandatos (quatro da PM e quatro da PC).

Ao final da operação, concluída às 11h30, Kleber determinou que os militares permanecessem no centro, para intensificar o policiamento ostensivo.

Conforme o comandante, a PM atua no monitoramento de maneira “mais contundente” no centro há 30 dias. O objetivo é garantir mais segurança à população que se desloca até a região bancária e aos comércios.

“Estamos incrementando o policiamento, incluindo o efetivo administrativo”, declarou.

No total, dez pontos são monitorados pelos policiais. As equipes deslocam-se aos locais depois de permanecer por um período mínimo de 30 minutos.

Os PMs, no entanto, podem estender o policiamento preventivo por mais meia hora, dependendo do fluxo de pessoas e das abordagens.

De acordo com o capitão, o efetivo é aumentado nos horários de maior circulação de pessoas, em especial na “faixa do horário comercial”.

“Após o fechamento do comércio, nós também mantemos o policiamento. Aí, uma ênfase maior é dada para a periferia e para a zona central mais afastada”, comentou.

Na sexta, a PM destacou equipes para patrulhar o largo do Mercado Municipal “Nilzo Vanni”, a Praça da Matriz, os cruzamentos das ruas 15 de Novembro com José Bonifácio; 15 de Novembro com Capitão Lisboa; 11 de Agosto com Capitão Lisboa; e 7 de Abril com 11 de Agosto.

Também houve presença da PM no largo do São Roque. Durante o período de permanência, as equipes da Rocam (Rondas Ostensivas com Apoio a Motos), canil, Força Tática e viaturas de policiamento realizam abordagens a suspeitos, bloqueios de trânsito e, dependendo da situação, revistas pessoais.

“Nesse sentido, nós atuamos sempre visando coibir infrações penais, sempre buscando a prevenção de crimes, apreendendo armas e drogas”, disse o capitão.

Para ele, o policiamento ostensivo mais intenso durante o horário comercial facilita o atendimento à população. Isso porque as equipes conseguem atender mais rápido aos chamados realizados no setor em que estiverem mais próximas, já que o tempo de deslocamento da viatura até o local diminui.

“Se tiver uma ocorrência no setor que a viatura esteja atuando, ela vai atender mais rápido”, explicou ele, que supervisionou o patrulhamento. Kleber é auxiliado por um sargento que integra o comando do grupo de patrulha.

“Ele é responsável pelo turno de serviço e pelas viaturas que estão no turno. Mas eu, na função de comandante, faço a supervisão. Às vezes, em horário de folga, ou mesmo, na minha residência, monitoro, para ver se as coisas estão funcionando da forma satisfatória que esperamos que aconteça”.

O comandante destacou, ainda, outra vantagem da intensificação do policiamento no centro. Como a área comercial é local de passagem de grande parte da população, a presença dos PMs em pontos estratégicos pode resultar numa maior integração dos militares com a comunidade.

“Faz com que a população se aproxime mais dos policiais e colabore com informações. Isso é muito importante e necessário. Nossa linha de trabalho é a aproximação, o estreitamento de laços com a comunidade”, afirmou o comandante.

A meta é manter a confiança da população no trabalho da polícia e permitir que a corporação tenha novas fontes de informações. “Nós temos o nosso trabalho de inteligência, mas nem sempre tudo chega ao nosso conhecimento”.

Também no sistema de colaboração, a PM reforçou ações junto à PC. Determinada pela SSP, a operação desta semana contou com trabalho conjunto.

Conforme explicou o titular, os militares ficaram encarregados de fazer o levantamento prévio dos locais em que havia possibilidade de prisão por conta de atividade criminosa.

O resultado da verificação da PM foi repassado à PC, que, com base em documentação e relatórios, apresentou pedidos de busca e apreensão para os quatro locais vistoriados no período da manhã.

Além de Andreucci, todos os policiais civis e delegados participaram da operação. Os boletins de ocorrência começaram a ser registrados no final da manhã e início da tarde, motivo pelo qual os dados dos detidos e averiguados não puderam ser divulgados pelas autoridades até o fechamento desta edição (sexta, 17h).

Num dos locais vistoriados, os policiais prenderam um homem procurado pela Justiça. Levado à Delegacia de Polícia Central, o foragido será encaminhado a um CDP (centro de detenção provisória) da região.

A PC também deve comunicar a detenção dele à comarca onde ele teve prisão expedida.

Uma segunda pessoa acabou sendo liberada. Segundo Andreucci, houve elaboração de TCO (termo circunstanciado), uma vez que ela portava entorpecentes.

A PC registrou, ainda, ocorrência por infração ao artigo 12 da “Lei de Desarmamento”. “Fizemos flagrante, mas, como é previsto fiança, não posso dizer se a pessoa vai permanecer detida, ou não”, afirmou o delegado.

Andreucci informou, por fim, a prisão de duas mulheres por tráfico de drogas. Com elas, os policiais encontraram três pedras de crack e quatro porções de maconha.

Segundo ele, as suspeitas teriam tentado se livrar da droga. “Como já havia denúncia e o flagrante, elas receberam voz de prisão”, contou.

O delegado destacou que a operação, além de unir as forças policiais, permite a manutenção dos índices estatísticos de criminalidade – considerados baixos pelas polícias – nos patamares atuais.

“Há um bom tempo, eles (os índices) estão caindo. Os crimes graves foram esclarecidos e isso permite que façamos uma espécie de manutenção na área da segurança”, apontou.

Andreucci afirmou, também, que as equipes alcançaram os resultados esperados. A partir dos levantamentos, os policiais evitaram que munições (materiais para recarga de cápsulas de armas apreendidas) e drogas chegassem aos tatuianos.

“A ação surtiu efeito. Em pontos distintos, conseguimos apreender e prender pessoas para tentar combater o mal pela raiz”, disse.