Choque anafilático: onde comprar adrenalina autoinjetável (epinefrina)

2
Dr. Jorge Sidnei Rodrigues da Costa – CRM 34.708 *

Devido a um caso de choque anafilático por picada de vespa preta (conhecida por marimbondo) de um cliente meu há dez dias (motorista de caminhão), que foi socorrido rapidamente numa UPA em Mogi Guaçu e depois transferido para o Hospital Geral de Itapecerica da Serra, sendo que ele se salvou, mesmo depois de ter tido duas paradas cardiorrespiratórias, resolvemos publicar novamente o artigo de informação da Asbai como proceder para comprar a medicação de urgência e salvadora de vidas.

A adrenalina é o medicamento mais importante nas crises de anafilaxia e faz toda a diferença entre viver e morrer durante crises alérgicas graves. Quando dada precocemente, evita evolução para quadros mais graves e há consenso mundial sobre seu uso em doses corretas (0,01 mg/kg até máximo 0,30 mg para crianças e entre 0,3 e 0,5 mg para adultos), por via I.M. em todos os pacientes com sinais e sintomas sugestivos de anafilaxia, mesmo em cardiopatas, idosos, grávidas e bebês.

Se necessário, a dose pode ser repetida após 5-10 minutos. A forma autoinjetável é a mais adequada para pessoas que não têm familiaridade com agulhas e injeções. Preparar uma dose de adrenalina numa situação de estresse, numa emergência médica como é uma crise de anafilaxia, não é tarefa fácil, mesmo porque a janela terapêutica da adrenalina (diferença entre dose terapêutica e dose tóxica) é muito pequena.

Então, dispositivos autoinjetores (importados) evitam dose excessiva, já que possuem quantidade fixa do medicamento, ou seja: 0,15 mg para crianças e 0,3 mg para adultos.

Infelizmente, não temos ainda no Brasil laboratórios interessados em comercializar adrenalina autoinjetável e a Asbai (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia) tem envidado todos os esforços no sentido de sensibilizar tais indústrias farmacêuticas para produzir no Brasil tal medicamento, tão essencial para salvar vidas. Resta aos brasileiros portadores da doença a recorrer a importadoras.

As opções que temos hoje são as seguintes (*):

1 – Masters Pharmaceuticals: importa a marca Anapen ® tanto adulto quanto infantil. Os documentos necessários para a importação são: prescrição médica (receita), com carimbo, CRM e assinatura do médico e data recente (até 3 meses de validade); relatório médico (justificativa para a importação), com carimbo, CRM e assinatura do médico; RG do paciente ou responsável; CPF do paciente ou responsável; e comprovante de residência do paciente.

Esses documentos devem ser digitalizados e enviados por e-mail (comercial@masterssp.com). Para pacientes menores de 18 anos, deve ser encaminhada a certidão de nascimento, além da documentação acima. Neste caso, o comprovante de residência deve ser em nome de um dos responsáveis.

O pagamento deve ser feito de forma antecipada, em dólares americanos, através de uma remessa bancária internacional ou cartão de crédito internacional. A medicação vai diretamente para a casa do paciente. Prazo desde a compra é variável: em média 20-30 dias. Contato: Masters Speciality Pharma: (11) 2389-2400

2- Medex Brasil (Importa medicamentos através da Fundação Rubem Berta). Importa a marca Epipen® (adulto e infantil) e é obrigatória a compra de duas canetas. Documentação exigida: cadastro do paciente (o interessado deve ligar para a Medex, que enviará por e-mail o cadastro o qual deverá ser totalmente preenchido), procedimento necessário apenas na primeira compra; receita completa (nome do paciente, endereço, nome do produto, quantidade, data, identificação completa do profissional), a qual deve ser enviada por e-mail e a original, guardada com o paciente.

Só aceita cartão de crédito internacional. O cartão pode ser de terceiros, desde que se envie também RG e CPF do titular do cartão. Após a chegada da medicação ao Brasil, a Medex envia um e-mail avisando e explicando os próximos passos, que são o seguinte: – a Agência Nacional de Vigilância Sanitária envia um telegrama ao paciente ou seu responsável, avisando também que a medicação chegou e exige a receita original para sua liberação.

O paciente (ou seu responsável) deverá enviar a cópia do telegrama + receita original (exatamente igual à encaminhada inicialmente à Medex) para a Anvisa (endereço que está no telegrama). Essa postagem deve ser por Sedex.

Após 2-3 dias do recebimento da carta na Anvisa, o paciente recebe a medicação em casa. Tempo total desde o pedido: de 20-30 dias. Contato: (11) 4371-9059.

3- Med Express: importa Epipen® e Jext®. Pode também ter outras marcas (sob consulta). Documentação necessária: prescrição completa com nome, endereço, nome do produto, quantidade de canetas e identificação completa do prescritor.

Essa receita deverá ser passada por e-mail ou WhatsApp. Para residentes em São Paulo, a medicação pode ser retirada localmente; para entrega via correio, é preciso acrescentar a taxa do Sedex O pagamento é feito no ato da entrega da medicação, através de dinheiro ou comprovante de depósito bancário. Não aceita cheque nem cartão de crédito/débito. Contato: 011 – 38175757.

A ASBAI sugere aos colegas prescritores que coloquem em suas receitas a forma genérica do produto (adrenalina autoinjetável) e oriente o paciente que as várias marcas existentes atualmente são todas confiáveis (Epipen, Anapen, Jext, Emerade). Essa sugestão baseia-se no fato de haver diferenças significativas de preço.

Sugerir ainda que o paciente, ao comprar, certifique-se do prazo de validade do produto. Atenção: a Asbai fornece esta orientação com o fim único de informação para médicos e pacientes de como adquirir a medicação.

Deixamos claro que não há nenhum interesse comercial da parte da associação, que se exime de qualquer responsabilidade pela escolha de cada medicamento e também do transcritor dessa matéria. O interesse é apenas de prestar um serviço de utilidade pública.

Fonte: site da Asbai

* Médico pediatra especialista em pediatria pela AMB (Associação Médica Brasileira) e SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) e membro da Asbai (Associação Brasileira e Alergia e Imunologia) e diretor clínico da Clínica de Vacinação – “Sou Doutor Cevac” – Tatuí – SP.