Cemem sedia campanha de doação de sangue para hemonúcleo de Jaú

502
Campanha ajudará a abastecer o Hemonúcleo Regional de Jaú (foto: divulgação)
Publicidade
Da reportagem

O Cemem (Centro Municipal de Especialidades Médica) “Dr. Jamil Sallum” sediará no próximo dia 16 de maio, um sábado, mais uma campanha de doação de sangue, coordenada pela empresária e voluntária Rita Corradi Azevedo, contudo, os candidatos devem estar atentos para saber se estarão aptos a doar.

Conforme a coordenadora, as pessoas que tomaram recentemente a vacina contra a gripe ou qualquer outra imunização apresentam impedimento temporário de 30 dias para a doação. Ou seja, quem tem intenção de doar sangue na campanha deve ser imunizado depois da coleta.

A campanha é realizada em prol ao Hemonúcleo Regional de Jaú – Fundação “Amaral Carvalho”. Funcionários do setor estarão coletando bolsas de sangue, com distribuição de senhas, das 7h30 às 10h, à rua São Bento, 15, centro.

Esta é a primeira campanha externa da FAC realizada neste ano em Tatuí.  Rita informou que, assim como todas as campanhas anteriores, a ação será realizada com todos os cuidados necessários e dentro das determinações da Vigilância Sanitária e da Secretaria Municipal da Saúde.

Apesar do pedido do Ministério da Saúde para que as pessoas fiquem em isolamento domiciliar como forma de combater a proliferação do coronavírus, Rita alerta que as doações de sangue são essenciais e não podem parar.

Publicidade

Segundo ela, muitas cidades da região que receberiam campanhas nos meses de março e abril acabaram cancelando a coleta e o hemonúcleo do hospital – especializado no tratamento de pessoas com câncer – teve queda nos estoques nos últimos meses.

“O hemonúcleo de Jaú está precisando muito de sangue. As cidades desmarcaram as coletas, mas as consultas dos pacientes que fazem tratamento de câncer não podem ser desmarcadas, as pessoas precisam continuar recebendo o sangue. Então, temos que continuar doando”, enfatizou a coordenadora.

Além disso, ela destaca que poucas cidades estão conseguindo receber a campanha externa do hemonúcleo por não contarem com estrutura que atenda às exigências de distância mínima entre as pessoas.

“A maioria não tem espaço amplo, mas nós temos. Aqui o espaço é ótimo, dá para coletar várias pessoas ao mesmo tempo, manter os cuidados necessários e também a distância entre um doador e outro”, observou a coordenadora.

Para doar, é preciso ter entre 18 e 69 anos. Menores, com 16 e 17 anos, também podem contribuir, desde que acompanhadas pelos pais ou responsáveis. No caso de a doação partir de menores, eles devem apresentar documento.

As exigências para o doador são de que pese 50 quilos ou mais, não esteja em jejum, tenha boas condições de saúde e sem ter contraído resfriado.

A pessoa também não pode estar tomando medicamentos, como antibióticos e anti-inflamatórios. Quem ingeriu esses remédios deve esperar 15 dias para doar.

Mulheres não podem doar se estiverem grávidas. Ainda são recusados os portadores de doença de Chagas, sífilis, hepatites B e C ou que tenham HIV. O doador não deve ter tido convulsões após os dois anos de idade ou ter frequentado regiões com incidência de malária nos últimos seis meses.

Rita lembra que, por conta da pandemia, quem retornou de viagem internacional fica inapto a doar por 30 dias a partir da chegada ao Brasil. O mesmo tempo vale para quem teve contato com caso suspeito ou confirmado e para pacientes que tiveram a doença.

Pacientes diagnosticados com a forma grave da doença ficam impedidos de doar por um ano. Além disso, pessoas que estiverem com sintomas de resfriado ou gripadas também não podem doar, temporariamente.

Desta vez, a campanha será voltada somente à coleta de sangue e não haverá cadastro de doadores de medula óssea. A intenção da equipe é seguir as determinações para o período de pandemia e evitar aglomeração de pessoas no local da coleta.

“Pela primeira vez, a campanha não terá cadastro de medula óssea, mas nós vamos agendar uma nova data para outra campanha, aí sim com coleta de sangue e cadastro de medula óssea. Desta vez, temos que ter todos os cuidados para evitar”, assegurou Rita.

A coordenadora ainda lembra que, durante todo o ano, também é possível doar sangue e realizar o cadastro de medula no Banco de Sangue “Fortunato Minghini”, da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí.

A coleta local é destinada ao HCFMB (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu), responsável por garantir a manutenção dos estoques dos bancos de sangue em mais de 30 cidades da região, incluindo hospitais de Tatuí e o HAC Hospital “Amaral Carvalho”.

“Os bancos de sangue regionais, como os de Tatuí e Jaú, são ‘braços’ do hemonúcleo de Botucatu. Então, quem não puder doar na campanha do dia 16, para ajudar Jaú, pode ir até o banco de sangue e fazer o cadastro para doar”, menciona Rita.

O cadastro dos novos doadores pode ser realizado de segunda-feira a sexta-feira, das 7h às 16h. Já a doação de sangue é agendada e acontece e as coletas ocorrem todas as terças-feiras e quintas-feiras, com número limitado de doadores.

O órgão está realizando as coletas apenas com atendimento agendado e horários diferenciados, para evitar aglomerações. A média de coleta envolve quatro pessoas a cada meia hora. O banco de sangue fica na rua Cônego Demétrio, 948, centro, ao lado da maternidade.

Publicidade