Aluno da Etec ‘Sales Gomes’ integra única equipe brasileira em disputa

Fabrício Ribeiro Júnior participa de competição internacional de robótica

171
Representantes brasileiros participaram de 3 das 5 categorias do certame (foto: divulgação/CPS)
Publicidade
Da redação

Estudantes das Etecs (Escolas Técnicas Estaduais) “Sales Gomes”, de Tatuí, e “Armando Pannunzio”, de Sorocaba, participaram da 11ª “Nadav Shoham Robotraffic Competitions”, uma competição internacional de robótica para alunos do ensino médio, promovida pelo Instituto Israelita de Tecnologia.

O único grupo brasileiro na disputa contou com o apoio do Centro Universitário Facens e conquistou boas classificações. O evento foi realizado de forma remota, com transmissão virtual e ao vivo, para os jurados em Israel.

Fabrício Ribeiro, estudante do curso técnico de mecânica da “Sales Gomes”, juntamente aos alunos Guilherme Meira, Thiago Oliveira e Yasmin Battaglini, da escola sorocabana, foi convidado a participar do desafio pelos professores do curso robótica educacional, projeto da Facens que oferece aulas semanais de robótica a alunos de escolas públicas da região de Sorocaba.

A equipe do Centro Paula Souza participou de três das cinco categorias do campeonato, além de uma premiação bônus, por excelência em estudos. Ao todo, concorreram cerca de 50 equipes de vários países, como Rússia, China, Argentina, México, Estados Unidos e Ucrânia.

O grupo conquistou o 14º lugar na categoria “careful driving and racing” (condução e corrida cuidadosa), a nona posição em “traffic safety initiatives” (iniciativas de segurança no trânsito) e ainda alcançou a quinta colocação na premiação “esforço pela excelência em estudos de robótica”.

Publicidade

Para participar, os alunos aplicaram os conhecimentos adquiridos nas aulas de robótica e desenvolveram dois projetos. Um deles é um carro autônomo, programado para percorrer um trajeto definido por linhas e interpretar, de forma correta, os sinais de trânsito.

O outro teria de ser uma solução para diminuir os acidentes de trânsito. Para isso, o grupo apresentou dois dispositivos que, ligados à tecnologia, seriam capazes de inviabilizar a direção de um veículo em situações como embriaguez e avanço de sinal vermelho pelo motorista.

Os estudos começaram em dezembro de 2020 e se estenderam até o mês passado. A apresentação final dos projetos aconteceu no dia 14 de março.

Contratempos

A equipe enfrentou desafios durante o processo. Além da realização de reuniões remotas, a região de Sorocaba teve de se submeter a medidas mais restritivas contra a Covid-19, o que atrasou a entrega de componentes comprados para o projeto.

“Com o atraso e as burocracias para levar o projeto adiante, nós tivemos apenas uma semana para montar o carrinho, enfrentamos muitas dificuldades em certas etapas, como a programação. Foi um desafio para todo mundo”, conta Yasmin, aluna do curso técnico de administração integrado ao médio, da Etec de Sorocaba.

A motivação falou mais alto e a equipe conseguiu adaptar o projeto ao prazo apertado e deixar tudo pronto para a competição. Depois disso, ainda foi preciso preparar-se para fazer a apresentação do trabalho em inglês de forma remota.

Aluno da Etec “Sales Gomes”, Rodrigues avalia que, apesar dos desafios, “foi uma experiência incrível”. “Achei espetacular a oportunidade que tivemos e foi um aprendizado enorme. Sempre gostei de tecnologia, robótica, mecânica e, desde pequeno, é um sonho trabalhar nessa área. Tenho certeza de que participar desse evento agregou muito para minha vida e fará bastante diferença na minha formação profissional”, garante.

Orientação e apoio

A equipe do CPS recebeu orientação e apoio da Facens para participar. A instituição financiou os materiais de forma integral, ofereceu toda estrutura física para o desenvolvimento do projeto, suporte para a transmissão ao vivo e orientação acadêmica ao grupo.

O professor Samuel Oliveira, da Academia de Robótica da Facens, foi um dos orientadores do time e conta que os alunos aproveitaram muito bem a oportunidade.

“Eles não mediram esforços, agarraram a chance com o intuito de aprimorar e mostrar que, apesar das barreiras, são capazes de fazer história em competições internacionais e ainda enfrentaram a pressão de ser a única equipe brasileira na disputa”, destacou. “Sabíamos que a performance seria muito importante para representar o país”, complementou.

No evento, o vice-presidente executivo sênior do Instituto Israelita de Tecnologia, Oded Rabinovitch, disse aos participantes que os robôs se tornaram “parte integrante das nossas vidas nos últimos anos e que a presença deles só aumentará”.

“A competição dá a cada participante uma amostra do mundo diverso e único da robótica e uma compreensão da importância dos fundamentos matemáticos e científicos na resolução de desafios de engenharia. Se o aluno entende isso, ele venceu, não importa o resultado da competição”, garantiu Rabinovitch.

Competição

A competição “Robotraffic” foi realizada pela primeira vez em janeiro de 2010 e tem como objetivo fomentar o interesse pela ciência e tecnologia, por meio do desenvolvimento de veículos autônomos capazes de dirigir em ambiente urbano, de acordo com as leis de trânsito.

Ao participar da competição, os alunos aprendem sobre robótica, leis de direção e regras de segurança no trânsito, além de adquirirem habilidades do “mundo real”, incluindo liderança, iniciativa e trabalho em equipe.

Publicidade