51% de leitores dizem não conhecer modos de combate í  dengue

277
Publicidade





Pesquisa virtual realizada pelo jornal O Progresso, por meio de “O Progresso Digital” (www.oprogressodetatui.com.br), apontou que 51% dos leitores acreditam não ter conhecimento suficiente sobre sintomas e modos de combater a dengue.

O resultado da enquete mostrou que 49% dos votantes dizem ter consciência sobre procedimentos de combate e sintomas da dengue.

O questionamento esteve acessível no portal do jornal desde a tarde de sábado, 19, até às 14h40 de sexta-feira, 25, quando a votação foi encerrada.

A pergunta envolvendo dengue foi baseada em reportagem veiculada no domingo, 20, sobre o número de casos confirmados da doença na cidade. Até quarta-feira, 16, havia 141 notificações de dengue.

Publicidade

Cento e um casos foram descartados, nove estavam aguardando resultado e 31 foram confirmados pela Secretaria Municipal da Saúde, colocando a cidade em estado de atenção.

Dos casos confirmados, 18 são autóctones (foram contraídos no próprio município) e os outros 13 são importados – contaminados fora da cidade.

Apesar das ocorrências de casos de dengue, Máximo Machado Lourenço, secretário da Saúde, afirmou que não há riscos de epidemia e que as equipes de combate intensificaram ações de contingenciamento.

Conforme o secretário, a cidade possui 29 pontos sob monitoramento, como ferros-velhos, floriculturas, borracharias, funilarias e cemitérios, assim como terrenos baldios.

Segundo Máximo, há vários fatores que contribuem para o aumento de notificações e confirmações de dengue. “A falta de chuva e as altas e baixas temperaturas favorecem bastante a proliferação de mosquitos”.

Além de ações realizadas em imóveis residenciais, o secretário garantiu que, em todos os casos notificados, são feitos bloqueios. O trabalho a campo na cidade é realizado por 15 profissionais da área de saúde.

De acordo com Máximo, toda vez que um médico suspeita que um paciente possa ter sido contaminado, uma das “muitas” providências que as equipes da Saúde realizam é o monitoramento em áreas próximas à casa do paciente com suspeita de dengue.

Se houver existências em pontos vistoriados, são feitas ações para acabar com os criadouros, como aplicações de larvicidas e inseticidas.

Máximo afirmou que, além das equipes da Saúde em monitoramentos, é preciso que a população também apoie no combate à dengue.

O secretário ressaltou que o número de casos notificados aumentou devido, também, a diagnósticos rápidos da equipe médica.

“Isso é o mais importante: o médico diagnosticar o mais rápido que ele puder”, salientou Máximo. Além disso, ele afirmou que é importante a população procurar um médico quando há sintomas.

Nesta semana, o jornal quer saber a opinião dos leitores a respeito das mudanças realizadas no Pronto-Socorro Municipal “Erasmo Peixoto”, que disponibiliza mais médicos para atendimento de urgência e emergência (reportagem nesta edição).

De acordo com o prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, com as mudanças, houve redução de queixas.

“Posso dizer, hoje, com tranquilidade, que o nosso maior problema, por incrível que pareça, já não existe mais. O pronto-socorro está estabilizado”, afirmou.

Baseado nisso, O Progresso questiona: “Você acredita que as mudanças feitas no pronto-socorro resultaram em melhor atendimento?”. As respostas são: “sim” e “não”.

O questionamento ficará no site “O Progresso Digital” da tarde de sábado, 26, até sexta-feira, 1o. O resultado será divulgado na edição do próximo domingo, 2.


Publicidade