5 coisas que muita gente não sabe sobre rinite alérgica!

Vacina, herança genética e incidência maior em mulheres estão entre os aspectos desse problema, destaca médica do Hospital Paulista

Cristiane Passos Dias Levy
Hospital Paulista

Os sintomas são bastante conhecidos e os fatores que a provocam, idem. A rinite alérgica, de forma bem resumida, é uma inflamação da mucosa nasal, que ocasiona espirros, coriza, congestão nasal, coceira no nariz, garganta e olhos, podendo ainda estar associada à sensação de cansaço, dor de cabeça e, até mesmo, perda de olfato. As causas dessas reações, por sua vez, quase sempre estão associadas ao contato com poeira, pólen, ácaros e pelos de animais.

Em família

O que muita gente não sabe, contudo, é que a origem desse problema pode estar ligada a fatores genéticos – sabia disso? Ou seja, filhos que têm pais com rinite são mais predispostos a desenvolver os sintomas ao longo da vida.

“Estudos científicos mostram que a predisposição genética desempenha um papel importante no desenvolvimento da rinite alérgica. Se um ou ambos os pais têm rinite alérgica, há uma maior probabilidade de que seus filhos também desenvolvam a condição”, confirma a Dra. Cristiane Passos Dias Levy, otorrinolaringologista do Hospital Paulista e especialista em alergias respiratórias.

A médica pondera, no entanto, que a presença de fatores ambientais, como a exposição a alérgenos, também desempenha um papel significativo no desencadeamento da rinite alérgica. Ou seja, além da ligação consanguínea, os meios que vivemos e frequentamos podem ser variáveis decisivas nesta equação.

“A combinação de fatores genéticos e ambientais é o que realmente faz a diferença para o desenvolvimento e manifestação da rinite alérgica em indivíduos predispostos”, explica a especialista.

Em qualquer idade

Dra. Cristiane também destaca que a rinite alérgica pode aparecer em qualquer idade. “A rinite pode surgir em qualquer momento da vida. Embora muitas vezes se manifeste na infância, a rinite alérgica também pode surgir na adolescência ou na idade adulta, mesmo em pessoas que nunca tiveram sintomas antes. Portanto, é importante estar atento aos sintomas e procurar orientação médica para um diagnóstico correto e um tratamento adequado”, enfatiza.

Em mulheres

Outro aspecto curioso, que muitos desconhecem, é que a rinite alérgica é mais comum em mulheres do que em homens. “Estudos mostram que as mulheres têm uma maior prevalência de rinite alérgica em comparação com os homens. Essa diferença pode ser atribuída a fatores hormonais”, explica.

Existe vacina?

Com relação ao tratamento, a médica do Hospital Paulista destaca que existem várias formas de combater, assim como de prevenir a rinite alérgica. Uma delas é a imunoterapia específica para rinite, também conhecida como vacina de alergia.

“A imunoterapia funciona expondo gradualmente o paciente a pequenas quantidades do alérgeno. Isso ajuda a dessensibilizar o sistema imunológico, reduzindo a resposta alérgica do corpo ao alérgeno, ao longo do tempo, os sintomas da rinite alérgica e a necessidade de medicamentos a longo prazo”, reitera.

Ainda assim, o mais comum é o uso de medicamentos como anti-histamínicos, corticosteroides nasais e descongestionantes, para minimizar as reações. E para prevenir a rinite, claro, evitar o contato com alérgenos – ou seja, poeira, pólen, ácaros e pelos de animais.

Seja de um jeito, seja de outro, a especialista pondera que, antes de mais nada, é importante consultar um otorrinolaringologista para um diagnóstico adequado e um plano de tratamento personalizado.

Existe cura?

Com relação à possibilidade de cura da rinite, a Dra. Cristiane esclarece que isso ainda não é possível hoje. “A rinite alérgica pode ser controlada e gerenciada com tratamentos adequados, mas não pode ser completamente curada. No caso da imunoterapia, pode-se até criar uma resistência ao que a pessoa é alérgica.”

Sobre o Hospital Paulista de Otorrinolaringologia

Fundado em 1974, o Hospital Paulista de Otorrinolaringologia possui cinco décadas de tradição no atendimento especializado em ouvido, nariz e garganta e durante sua trajetória, ampliou sua competência para outros segmentos, com destaque para Fonoaudiologia, Alergia Respiratória e Imunologia, Distúrbios do Sono, procedimentos para Cirurgia Cérvico-Facial, bem como Buco Maxilo Facial.

Referência em seu segmento e com alta resolutividade, conta com um completo Centro de Medicina Diagnóstica em Otorrinolaringologia. Dispõe de profissionais de alta capacidade oferecendo excelentes condições de suporte especializado 24 horas por dia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui