Tatuí, 30 de Abr de 2017
Tatui
+18...+30° C
  • Evento marca celebração ao “Dia do Choro” no domingo
  • Evento terá participação de cantora japonesa Y. Katayama
    21/04/17 - Da redação

    Arquivo Conservatório de Tatuí

    Apresentação é a primeira da temporada a ser realizada por músicos



        O Dia Nacional do Choro será comemorado neste domingo, 23, com apresentação no Conservatório de Tatuí. O Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí faz a primeira apresentação da temporada com a participação especial da cantora japonesa Yoshimi Katayama.

    O evento tem início programado para as 20h no teatro “Procópio Ferreira”, com ingressos a R$ 12 (meia-entrada a R$ 6). O espaço fica à rua São Bento, 415, no centro.

    A apresentação conta com a participação de quatro alunos convidados, entre os quais duas conterrâneas de Yoshimi: a saxofonista (alto/soprano) Aika Shimada e a pandeirista Ribeka Suzuki (que tem nacionalidade brasileira). Além delas, Patricio Andrés Huerta Cárdenas (sax alto/tenor) e Vinie Ray Sanches Barranechea (sax alto/tenor/clarineta/clarone) estão no programa.

    Para comemorar a data, o coordenador do Grupo de Choro, Alexandre Bauab, preparou repertório com grandes compositores do gênero. Destaque para o aniversariante do dia, Pixinguinha, autor de “Um a Zero”, “Fala Baixinho” e “Carinhoso”.

    Ernesto Nazareth estará presente na apresentação com “Perigoso” e “Escorregando”. De Luperce Miranda, o Grupo de Choro executará “Norival aos Sessenta” e “Itapagipe”. De Mauricio Carrilho, “Choro Cubano” e “Baixaria na Lapa”.

    A apresentação contará ainda com “Papo de Anjo”, de Avena de Castro; “Entre Amigos”, de Raul Silva; “Dança do Urso”, de Candinho do Trombone; e “Ali-Baba”, de Henrique A. de Mesquita. A música “Baixaria na Lapa” tem arranjo de Aika Shimada. Os demais arranjos são do coordenador.

    A cantora Yoshimi Katayama nasceu na província de Gunma, no Japão. Ela encantou-se com o choro depois de desistir do piano clássico, que começou a estudar aos 10 anos.

    Ela começou a carreira tentando compor música pop de seu país, até que, aos 23 anos, teve o primeiro contato com a música brasileira. Yoshimi ouviu “Corcovado”, de Tom Jobim, que a levou a um breve período como cantora de bossa nova.

    Inicialmente estudando o idioma por conta própria e depois recebendo aulas com a cantora Wilma de Oliveira, Yoshimi aprimorou-se na pronúncia e aprendeu mais de 150 músicas brasileiras.

    Yoshimi foi apresentada ao choro por meio da voz de Ademilde Fonseca, artista brasileira que a jovem japonesa conheceu em 2004, em uma temporada de três meses no Brasil. Ademilde não acreditava que uma oriental pudesse cantar choro. Mas mudou de opinião e o disco “Eu Canto Choros”, lançado em 2008, tem a participação de Yoshimi em quatro músicas – uma delas, “Fala Baixinho”, de Pixinguinha.

    Considerando o choro uma música alegre e apostando que agradaria o público do Japão, Yoshimi passou a apresentar o gênero musical tipicamente brasileiro em seu país. Em 2011, um ano antes da morte de Ademilde, Yoshimi voltou ao Brasil para aprimorar os conhecimentos com sua madrinha no choro.