Solução no lixo

0
120
Publicidade
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Desde sempre, o lixo tem sido um problema – não especificamente em Tatuí, mas em qualquer lugar do mundo. As diferenças estão nas formas como esse desafio é enfrentado, sendo que, em geral, o volume do problema costuma aumentar literalmente.

Mas, e se, de repente, aquilo tão costumeiramente negativo viesse a se tornar solução? Pois, guardadas as tais devidas proporções, foi algo assim que o subsecretário estadual de energias renováveis, Antônio Celso de Abreu Junior, anunciou na segunda-feira, 31 de julho.

Nesse dia, ele esteve em Tatuí, no teatro do Conservatório, onde aconteceu a reunião do Conselho de Desenvolvimento da RMS (Região Metropolitana de Sorocaba).

Basicamente, a proposta apresentada por Abreu Junior é de que os resíduos sólidos da Região Metropolitana de Sorocaba venham a ser usados na geração de energia elétrica, por meio da captação de biometano em aterros sanitários, reaproveitados como combustível em altos fornos de preparo de cimento.

De acordo com Abreu, a captação e o reaproveitamento podem ser trabalhados em conjunto e fazem parte do projeto de diversificação energética de São Paulo.

Atualmente, 51% da matriz energética do Estado mais desenvolvido do país são fornecidos por fontes renováveis, como etanol, biometano e usinas hidrelétricas.

“Nós produzimos lixo desde que nascemos. Se os municípios se unirem – e isso pode se dar na modalidade de consórcios –, teremos uma economia de escala muito grande e transformaremos o lixo domiciliar em um novo modelo de negócios. É uma forma barata de resolver o problema dos resíduos sólidos urbanos”, declarou.

Publicidade

Atualmente, Tatuí produz 101 toneladas de resíduos sólidos por dia. Todo o material é enviado ao aterro sanitário da empresa Proposta Engenharia, em Cesário Lange. No total, o aterro recebe 261,94 toneladas/dia, de um volume de 1,5 mil toneladas de resíduos produzidos na RMS.

O local trata resíduos de Jumirim, Laranjal Paulista, Pereiras, Quadra e Itapetininga, além de Cesário Lange. O aterro recebeu nota dez no IQR (Índice de Qualidade de Resíduos), da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).

Além da formação de consórcio, o subsecretário informou que os municípios poderão fazer acordos em conjunto com alguma empresa para a destinação dos resíduos a ganhar “economia de escala” no tratamento.

No modelo proposto pelo governo estadual, são necessárias 500 toneladas diárias para que a exploração comercial do lixo doméstico seja viável.

“O custo fica reduzido. A exploração pode dar-se por meio de consórcios ou por PPP (parceria público-privada). Com isso, o prefeito deixa a questão dos resíduos sólidos de lado e pode concentrar-se em outras preocupações, como saúde, transporte”, afirmou.

Um exemplo apontado por Abreu é a usina termelétrica de Caieiras. Os resíduos sólidos do município de São Paulo e daquela região metropolitana são enviados ao local e depositados em aterros.

Um sistema de captação envia o gás metano produzido pela decomposição do lixo à usina. Com a queima do biogás, é gerada energia elétrica. A potência instalada da usina é de 29,5 MW (megawatts), abastecendo até 130 mil residências.

“Aqui na nossa região, podemos fortalecer a produção de CDR (combustível derivado de resíduo), que pode ser utilizado na queima em altos fornos da indústria, principalmente as consideradas eletrointensivas, como as fábricas de cimento e indústria cerâmica”, explicou.

O CDR é produzido a partir do lixo domiciliar. Os resíduos sólidos passam por preparação, com a separação de metais ferrosos e não ferrosos, recicláveis e matéria orgânica. O restante é triturado e vendido às indústrias como combustível para altos fornos.

Segundo o subsecretário, a queima do CDR faz com que o volume de resíduos sólidos depositados nos aterros seja menor, aumentando a vida útil dos espaços. Além disso, as indústrias economizam com a compra de combustível para a combustão em fornos.

“Para ter-se uma ideia, várias indústrias estão elaborando planos para produção do próprio CDR. Hoje, a prática é conhecida no mundo como recuperação energética e altamente atrativa em termos econômicos e ambientais, e pode, facilmente, atrair investimentos aos municípios”, declarou.

O Estado de São Paulo gera 70 MW de eletricidade a partir do biogás captado em aterros sanitários. Se o potencial nacional de geração de energia com o lixo fosse totalmente aproveitado, seria suficiente para abastecer 30% da demanda de energia elétrica atual do país.

“A nossa obrigação é ampliar o fornecimento de energia em locais próximos aos centros de carga. Grande parte da energia produzida no país é consumida em São Paulo. Como temos o potencial hidrelétrico pequeno no Estado, temos que buscar alternativas para a segurança energética”, declarou.

O subsecretário apontou que a geração regional de energia a partir do lixo garantirá economia aos consumidores, uma vez que parte dos custos da eletricidade vem da distribuição. Com centros de geração próximos aos consumidores, o custo deverá ser menor.

“Isso está virando um grande negócio no mundo. Recebemos sempre prefeitos para discutir projetos. Todavia, o planejamento esbarra na questão da escala. Esse tipo de negócio fica economicamente inviável em usinas pequenas, pela tecnologia empregada”, salientou.

O plano energético do governo do Estado inclui a interligação de usinas de processamento de cana-de-açúcar à rede de gasodutos que passam por São Paulo.

Um levantamento da Subsecretaria de Energias Renováveis aponta que 66 usinas do Estado estão a menos de 20 quilômetros de distância de gasodutos.

Elas poderiam gerar biometano através da vinhaça, resíduo do processamento da cana, atualmente usado como fertilizante nos canaviais, e “injetá-lo” na rede de distribuição de gás natural.

“Trabalhamos em um projeto de caminhões canavieiros “flex”. Eles utilizam gás natural e diesel. A tecnologia já existe, e, se usássemos em larga escala no nosso Estado, economizaríamos um bilhão de litros de diesel por ano”, afirmou.

Para tornar o projeto de produção de CDR e biogás a partir do lixo viável, os prefeitos da RMS solicitaram estudos sobre a composição do lixo à secretaria estadual. O poder de queima do CDR está atrelado à quantidade de matéria orgânica presente nos resíduos.

“Muitos estudos falam do lixo europeu, americano ou asiático, e a composição dos nossos resíduos é diferente. Para escolhermos a melhor tecnologia, precisamos entender melhor a composição do nosso material”, relatou.

A ideia apresentada pelo subsecretário agradou os representantes das cidades da RMS. A prefeita Maria José Vieira de Camargo comentou que a proposta é vantajosa tanto em termos ambientais quanto econômicos.

Já o prefeito de Itu, presidente do Conselho de Desenvolvimento da RMS, Guilherme Gazolla, observou que a região pode trabalhar a pauta dos resíduos sólidos em conjunto com o Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Sorocaba e Médio Tietê.

“O nosso comitê abrange 47 municípios e a região metropolitana tem 27 cidades. Nós buscamos trabalhar em conjunto, e isso mostra que estamos em franca atividade na elaboração do PDUI (Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado) ”, relatou.

A próxima reunião do conselho será em 18 de setembro, no município de Itapetininga. A pauta do encontro será a saúde nas cidades da região metropolitana.

Essa nova iniciativa reforça a tendência de união regional em favor de interesses comuns, tal como já aconteceu recentemente, tendo em vista o setor turístico. É um movimento natural, correto e irreversível. Menos disputas e mais união, com ganhos para todos.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome