Em Lyon

Pablo Ribeiro conquistou uma das cinco vagas para o curso de especialização

0
3890
Pablo Hugo recebeu apoio de professores da escola de Tatuí para realizar sonho (foto: AI Conservatótio)
Publicidade
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Recém-formado no curso de saxofone clássico do Conservatório de Tatuí, o músico Pablo Hugo Ribeiro de Lima conquistou uma vaga no curso de especialização do Conservatoire à Rayonnement Regional de Lyon, na França. Ele desenvolverá estudos sob orientação do renomado saxofonista Jean-Denis Michat.

Vivendo na Europa há mais de três meses, Lima visitou Tatuí no final do ano passado. Em passagem pelo Conservatório, o músico falou sobre a trajetória na música, a carreira e a respeito do processo de seleção para os estudos na França.

Ribeiro teve como motivação para o ingresso na especialização as pesquisas realizadas sobre o instrumento que toca. “Desde que comecei a estudar o saxofone, já pensava sobre o que eu faria quando terminasse o curso”, declarou.

Durante a investigação pessoal, ele chegou à conclusão de que a França seria um dos lugares mais propícios para a especialização. As pesquisas também levaram o músico até as obras do orientador. “Tornei-me um grande fã dele”, disse.

Uma vez definido que queria estudar na França e com Jean-Denis, o músico começou a aprender o francês. Em paralelo, guardou dinheiro para as despesas da viagem. “Assim que me formei no Conservatório de Tatuí, no meio deste ano (ano passado, quando concedeu a entrevista), fui fazer o concurso”, contou.

Lima disputou uma das cinco vagas com outros 12 candidatos. Destes, dez eram estrangeiros. Ele realizou prova competindo contra europeus e asiáticos. “É assustador, mesmo tendo um nível de excelência aqui no Conservatório. Você se depara com um nível escolar que não é a nossa realidade”, afirmou.

Passada uma semana, Lima recebeu a notícia da classificação em quinto lugar. O músico viajou preparado para ficar o período de duração do exame. Ele ingressou com visto de turista, o que garantiu a permanência por um prazo de até três meses. Depois da aprovação, ele retornou ao Brasil para o visto de estudante.

Publicidade

A rotina dos estudos consiste em aulas três dias por semana, das 8h às 18h, com um “nível de exigência máximo”. “Ele (Jean-Denis) fala que somos como esportistas e temos um cronograma de estudo para seis a oito horas por dia”, relatou.

Lima participa de aulas ministradas em grupo. De acordo com ele, os alunos são instigados a atender ao público mais rigoroso. “O professor fala que, se conseguirmos tocar para as plateias mais exigentes – que são os outros alunos e pianistas correpetidores – podemos tocar para qualquer outra pessoa”, contou.

Pela projeção feita pelo orientador, o ex-aluno do Conservatório disse que os estudantes precisam atender a um mínimo de um ano e máximo de quatro na especialização. O primeiro ano é suficiente para o básico, de dois a três para o intermediário.

O Conservatoire é vinculado à universidade, o que garante a quem concluir o curso diploma de graduação, intitulado de DEM – “Diplôme d’études musicales”. Lima pretende cumprir os quatro anos da grade para atuar como professor.

Nascido na cidade de Paraipaba, no interior do Ceará, Lima começou a se interessar por música por influência da irmã. Ela tocava em uma banda municipal e praticava o instrumento em casa. Na época, o músico não gostava de ouvir o saxofone. Mudou de ideia quando, por insistência da irmã, acompanhou o ensaio da banda. “Perguntei se tinha bateria e fui ver”, relatou.

O saxofone foi apresentado a Lima pelo maestro da banda. O jovem, na ocasião, queria o clarinete, mas aprendeu a tocar uma escala de Dó maior, após a primeira lição. “Fiquei meio ‘assim’, porque nem gostava (do instrumento). Mas fui uma semana, peguei gosto e virou paixão”, descreveu.

Em Paraipaba, o músico integrou a banda, junto com a irmã, e sob orientação de Madiel Francisco dos Santos por um período de dois anos. Depois, ingressou na Banda Juvenil Dona Luíza Távora, na capital do Ceará, Fortaleza.

Na época, a corporação de jazz tinha mais de 45 anos de existência. Ela era mantida por uma escola, o Centro Educacional da Juventude Padre João Piamarta. Ele ingressou na banda a convite do maestro Francisco dos Santos e permaneceu por mais dois anos, desenvolvendo o jazz como outro estilo.

Já o ingresso no Conservatório de Tatuí aconteceu por influência de dois professores da instituição tatuiana: Marcelo Bambam (trombone) e Joaquim Antonio das Dores (trompa). Eles haviam ido a Fortaleza para um trabalho solo com a banda e comentaram sobre o trabalho desenvolvido em Tatuí.

Motivado pelo desafio de se aprimorar nos estudos, Lima trocou a chance de estudar música em três universidades federais (ele havia passado nos vestibulares) para estudar em Tatuí. Ele veio para a cidade para participar do processo seletivo, tendo frequentado o curso com o professor Giancarlo Medeiros, por dois anos, e completado com Rafael Migliani, por mais dois anos e meio.

Em Tatuí, Lima trocou o jazz pelo clássico e pôde ampliar o desejo de aprimoramento. No Conservatório, ele destacou o apoio dado pelos professores para a concretização do sonho dele: ingressar no Conservatoire, de Lyon. “Eu disse: ‘Quero isso’. Eles disseram: ‘Vamos trabalhar para que você consiga’. Prova disso é a quantidade de alunos que têm êxito na carreira”, disse.

Filho de um vendedor de frios e de uma costureira, Lima disse que recebeu apoio de muitas pessoas, além dos pais. Ele destacou o apoio dos professores, da então prefeita da cidade dele (ela pagou a passagem dele para Tatuí), do maestro da banda municipal de Paraipaba e aos docentes do CDMCC.

Em especial, o músico citou os professores Giancarlo Medeiros, Rafael Migliani e Marcos Pedroso. “Essas pessoas viveram um pouco da minha história e me ajudaram a construir o caminho para realizar meu sonho”, concluiu.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome