Em apenas uma semana, óbitos por Covid-19 crescem 133% na cidade

Índice de mortes saltou de 3 para 7, o pior desde o início da pandemia

641
Publicidade
Siltec
Da reportagem

A taxa de letalidade da Covid-19 em Tatuí teve aumento de 133,3% em uma semana. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, o número saltou de três para sete mortes pela doença entre os dias 15 e 22.

Somente nos últimos três dias, a Vigilância Epidemiológica comunicou o registro de três óbitos. O mais recente foi anunciado na manhã de sexta-feira, 22, referente a uma mulher de 67 anos, que estava internada na Santa Casa de Misericórdia. O sepultamento ocorreu na capital paulista.

Outras duas mortes confirmadas ocorreram na quinta-feira, 21. São de um homem de 71 anos e uma mulher de 77. Ambos estavam internados na Santa Casa de Misericórdia e foram sepultados logo após a morte – o homem no Cemitério Cristo Rei e a mulher no Cemitério São João Baptista.

Na sexta-feira da semana passada, 16, o órgão da Secretaria de Saúde já havia comunicado a morte de um homem de 60 anos, que estava internado desde o dia 11 na Santa Casa, com coronavírus. Ele não tinha registros de outras doenças pré-existentes.

A taxa de letalidade pela doença é a pior desde a confirmação do primeiro caso de contágio por coronavírus, anunciado no dia 20 de março. No boletim divulgado pela Secretaria Municipal da Saúde por volta das 12h de sexta-feira, 22, ainda constava um caso de óbito suspeito.

Publicidade
Siltec

A morte suspeita é de um homem de 49 anos, que faleceu em casa. A ocorrência foi atendida pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), e o paciente não estava na lista de casos suspeitos da VE. Ele foi sepultado na quinta-feira, 21, no Cemitério São João Baptista.

Até terça-feira, 19 (data de fechamento da edição anterior), a cidade somava 264 notificações por Covid-19, sendo 32 casos suspeitos aguardando resultados dos testes, 171 descartados e 61 positivos.

Na ocasião, dos casos confirmados, havia quatro óbitos, 36 pacientes estavam recuperados e 22 seguiam em tratamento, sendo 19 em isolamento domiciliar, um homem de 71 anos internado na unidade de terapia intensiva da Santa Casa e uma mulher de 47 anos na UTI do hospital particular.

Dos 32 casos suspeitos, 22 estavam em tratamento domiciliar e sete na Santa Casa (a mulher de 67 anos que morreu na sexta-feira), na UTI; duas mulheres, de 37 e 77 anos, e quatro homens, de 37, 60, 67 e 81 anos, em isolamento.

No hospital particular, estavam internados, em área de isolamento, três pacientes com quadros estáveis e aguardando resultados, sendo duas mulheres, de 76 e 81 anos, e um homem, de 70 anos.

Já o índice de casos confirmados da doença subiu 62,5% nos últimos sete dias, passando de 56 para 91 infectados pela doença. Somente nos últimos três dias, foram 30 novos casos positivos.

O número começou a subir na quarta-feira, 21, quando sete homens (de 30, 32, 34, 35, 60, 65 e 75 anos) e oito mulheres (de 35, 36, 37, 47, 53, 56, 67 e 71 anos) testaram positivo para a doença. Os 15 pacientes estavam em tratamento domiciliar.

Ainda na quarta-feira, a VE registrou 35 novos casos suspeitos, sendo 30 descartados por testes rápidos e outros cinco exames encaminhados para o Instituto “Adolfo Lutz”.

Entre os casos suspeitos, dois pacientes precisaram ser internados: um homem de 64 anos, na UTI da Santa Casa, com quadro grave, e um jovem de 16 anos, em isolamento, com quadro estável, no hospital particular.

Na quinta-feira, 21, além dos dois óbitos confirmados e um suspeito, a VE informou ter recebido 11 novos casos positivos e 24 suspeitos, que apresentaram sintomas da doença e realizaram testes para detectar o vírus.

Os casos confirmados envolvem oito mulheres e três homens. Também foram registrados 24 novos casos suspeitos, de 15 mulheres e nove homens (o boletim não informou a idade dos pacientes).

De acordo com a VE, dos casos suspeitos, 21 foram encaminhados a tratamento domiciliar e três precisaram de internações. Um homem de 69 anos foi internado, em estado grave, na UTI da Santa Casa; outro paciente, de 69 anos, e uma mulher, de 71, na área de isolamento da unidade.

No mesmo boletim, o órgão da Secretaria de Saúde informou terem sido descartados 20 casos suspeitos, de 11 mulheres e nove homens.

Já no boletim de sexta-feira, além do óbito da mulher de 67 anos, foram notificados quatro novos casos positivos. Um homem de 70 anos estava internado em isolamento no hospital particular. Os demais pacientes seguiam em tratamento domiciliar (um homem de 25 anos e duas mulheres, de 55 e 63 anos).

O relatório apontou mais 28 casos suspeitos, sendo 12 mulheres e 16 homens. Quatro precisaram ser internados: na UTI Santa Casa, um homem de 60 anos; e em isolamento, dois homens, de 55 e 59 anos. Uma mulher de 58 anos foi internada no hospital particular.

O boletim ainda informou que foram descartados 20 casos suspeitos, de 11 mulheres e nove homens.

Com os dados do boletim atualizado, o município atingiu 353 notificações, sendo 21 casos suspeitos (incluindo o óbito) aguardando resultados dos testes, 241 descartados e 91 positivos.

Os bairros com maior índice de moradores infectados pela doença são: Jardim Santa Rita de Cássia (9), centro (8), Mirandas (7), vila Dr. Laurindo e vila Esperança (com 6 casos em cada) e Jardim São Conrado (4).

Na lista de comunidades com contagio, ainda entram os bairros Jardim Europa, Jardim Manoel de Abreu, Jardim Planalto, Jardim São Cristovão, Jardim Wanderley, Pacaembu e Jardim Santa Cruz, com três casos positivos em cada.

Condomínio Colina das Estrelas, residencial Europark, vila Angélica, Santa Luzia e São Paulo apresentavam dois casos por localidade.

E, ainda, apareciam os locais, com um caso em cada: Cecap, Valinho, Guarapó e Inocoop; jardins, Colina Verde, Palmira, Rosa Garcia 1, Atlanta e Santa Emília; condomínios, Bosque do Junqueira e São Marcos; residenciais, Módena, Alvorada, Astória, Guedes, Juliana, Santa Cruz, Village e as vilas Bandeirantes e Paulina.

Dos casos confirmados, 52 pacientes estavam recuperados, sete foram a óbito e 32 seguiam em tratamento, sendo 27 em isolamento domiciliar e cinco em hospitais: uma mulher de 67 anos e um homem de 81, na UTI da Santa Casa; uma mulher de 58 e um homem de 37, em isolamento, no hospital público; e uma mulher de 47 anos, na UTI do hospital particular.

Dos 20 casos suspeitos, 11 faziam tratamento domiciliar e nove permaneciam internados em hospitais, sendo três homens (60, 64 e 69 anos) e uma mulher (64 anos) na UTI da Santa Casa, três homens (55, 59 e 69 anos) e uma mulher (75) no isolamento da unidade pública e um homem de 70 anos e uma mulher de 58 em isolamento no hospital particular.

Além dos pacientes com quadro suspeito, que aguardavam resultado dos testes, um rapaz de 16 anos, que era considerado suspeito e testou negativo para a doença, estava internado no hospital particular.

No estado

Na sexta-feira, 22, o estado de São Paulo chegou a 76.871 casos confirmados de Covid-19, até às 13h40, sendo 3.132 nas 24 horas que antecederam à publicação do boletim. Na ocasião, conforme o governo, o vírus já tinha alcançado 500 municípios paulistas, o equivalente a 77,5% do território paulista.

O estado totalizava 5.773 óbitos, com 215 novas mortes confirmadas entre quinta-feira e sexta-feira. Pelo menos 229 municípios registravam óbitos no período. Entre as vítimas fatais, estavam 3.397 homens e 2.376 mulheres.

Os óbitos continuavam concentrados em pacientes com 60 anos ou mais, totalizando 73% das mortes. Observando faixas etárias subdividas a cada dez anos, nota-se que a mortalidade foi maior entre 70 e 79 anos (1.390 do total), seguida por 60-69 anos (1.333) e 80-89 (1.124).

Também faleceram 369 pessoas com mais de 90 anos. Fora desse grupo de idosos, também houve alta mortalidade entre pessoas de 50 a 59 anos (820 do total), seguida pelas faixas de 40 a 49 (422), 30 a 39 (238), 20 a 29 (49) e 10 a 19 (17) e 11 com menos de dez anos.

Os principais fatores de risco associados à mortalidade são: cardiopatia (58,9% dos óbitos), diabetes mellitus (43,5%), doença neurológica (11,3%), doença renal (10,5%) e pneumopatia (9,5%).

Outros fatores identificados são: imunodepressão, obesidade, asma e doenças hematológica e hepática. Esses fatores foram identificados em 4.498 pessoas que faleceram vítimas da Covid-19 (80,9%).

Até a divulgação do boletim atualizado, 11.600 pacientes estavam internados no estado de São Paulo, sendo 4.433 em UTI e 7.176 em enfermaria. O governo ainda divulgou 15.296 altas de pacientes que tiveram confirmação da doença e foram assistidos em hospitais do estado.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI reservados para atendimento à Covid-19 era de 74.7% no estado de São Paulo e 91.4% na Grande São Paulo.

Publicidade
Siltec