Cartório Eleitoral de Tatuí afirma que votação em urna eletrônica é segura

    Cinco casos de falhas foram noticiados e estão sendo investigados pela “JE”

    912
    Publicidade
    CVC
    Coplaspel
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Sta Tereza institucional
    Liderança Ferramentas

    Desde domingo, 7, dia das eleições gerais, muitas mensagens e vídeos de eleitores que questionam a segurança das urnas eletrônicas têm circulado pelas redes sociais. Além disso, em Tatuí, cinco reclamações sobre falhas nos aparelhos foram notificadas em colégios eleitorais.

    Três casos foram registrados na Delegacia Central. Em todos eles, os eleitores afirmam não terem conseguido votar em seus candidatos, o que poderia, supostamente, fraude eleitoral.

    Assim como qualquer outro equipamento, as urnas eletrônicas estão sujeitas a falhas ou bloqueio de funcionamento. Contudo, o aparelho é considerado seguro contra fraudes, conforme acentua o chefe do Cartório Eleitoral de Tatuí, Rodrigo de Proença Soares.

    Ele lembra que as urnas eletrônicas passam por testes prévios e diversas auditorias antes e no dia da eleição, o que, além de evitar falhas, garante a segurança com relação ao equipamento.

    “Posso assegurar que as urnas são seguras. Embora alguns candidatos e eleitores apontem suspeitas, a verdade é que, desde a implantação, em 2006, nunca houve prova de fraude”, reforçou Soares.

    Publicidade
    EleService institucional
    Coplaspel
    Alessandra Bonilha, dra
    Sta Tereza institucional
    CVC
    Liderança Ferramentas

    As reclamações foram feitas em cinco seções, de quatro escolas. Duas seções da Escola Estadual “Barão de Suruí” e as outras na EE “Professor José Celso de Mello”, no centro; Emef “Professora Teresinha Vieira de Camargo Barros”, no Jardim Manoel de Abreu; e Etec (Escola Técnica) “Sales Gomes”.

    Uma contadora de 34 anos, uma aposentada de 71 e uma auxiliar de enfermagem de 41 registraram ocorrências de falhas nas urnas, no plantão da Polícia Civil. Todos os históricos tinham o mesmo teor.

    As mulheres relataram que, ao votar, teriam inserido a numeração dos candidatos para os cargos de deputados, senadores e governador normalmente, mas, antes que pudessem inserir os dígitos do candidato a presidente, a urna eletrônica teria encerrado a votação, impedindo que pudessem completar o voto.

    De acordo com Soares, essas reclamações estão sendo analisadas e devem ser objeto de manifestação do Ministério Público e pronunciamento oficial. “Não só para os eleitores envolvidos, mas para todo o eleitorado”.

    Quanto aos boletins de ocorrência registrados, Soares afirmou que o cartório ainda não recebeu cópias e, portanto, “não tem ciência de seus teores”.

    O chefe do cartório ainda ressaltou que o número de reclamações pode ser considerado pequeno, levando-se em consideração os 120.150 eleitores da 140ª zona eleitoral, que compreende, ainda, as cidades de Guareí, Porangaba, Torre de Pedra e Quadra.

    “Acredito que houve muitas dúvidas em relação aos cargos em disputa e a ordem de votação, muitos eleitores se confundem nesse momento. Mas, como a cabina é sigilosa, não tem como saber o motivo das reclamações. Temos que aguardar as análises”, comentou.

    Conforme Soares, o Cartório Eleitoral orienta que, no segundo turno, os eleitores, ao digitar o número do voto na urna eletrônica, aguardem o surgimento das fotos dos candidatos, para que, só então, confirmem o voto na urna.

    “Isso é muito importante, até para que não volte a ocorrer este tipo de reclamação que teve no primeiro turno”, orientou.

    Em aspectos gerais, o chefe do cartório considerou as eleições tranquilas. “Tudo transcorreu dentro da normalidade”, concluiu.

    Publicidade
    EleService institucional
    Coplaspel
    Alessandra Bonilha, dra
    Sta Tereza institucional
    CVC
    Liderança Ferramentas

    DEIXE UM COMENTÁRIO

    entre com sua mensagem
    entre com seu nome