Anunciada despoluição total do Manduca

    Sabesp e Prefeitura pretendem realizar soltura de alevinos para comprovar eficiência

    0
    1034
    Obras iniciadas para coleta de esgoto - e que aguardam resolução de impasses para serem concluídos - devem permitir despoluição total de curso d'água que corta a cidade
    Publicidade
    Eletrofer
    Sta Tereza institucional
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Coplaspel
    Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

    Principal curso d’água a cruzar praticamente toda a zona urbana de Tatuí, o ribeirão do Manduca deixará de receber esgoto sem tratamento em toda a extensão.

    O fim do despejo – que contribui com a poluição do regato – no trecho de 7.723 quilômetros faz parte de projetos iniciados pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), em acordo com a Prefeitura.

    O anúncio da despoluição total foi feito pela prefeita Maria José Vieira de Camargo no dia 29 de novembro. Na ocasião, ela se encontrou com representantes da companhia para discutir soluções a três impasses que estão impedindo a conclusão de obras de saneamento.

    “O superintendente (Maurício Tápia) veio mostrar o trabalho que estão finalizando na cidade, que começa no Jardim Gonzaga e segue até o ribeirão”, informou Maria José.

    Conforme a prefeita, a meta é terminar a gestão na chamada “Tatuí 300%”. Maria José antecipou que a equipe de governo dela, juntamente com a Sabesp, pretende manter na cidade os índices de 100% de água tratada, 100% de esgoto tratado e 100% de esgoto coletado. “Esse é o nosso objetivo para a cidade”, frisou.

    Publicidade
    EleService institucional
    Eletrofer
    Coplaspel
    Alessandra Bonilha, dra
    Sta Tereza institucional

    A marca deve ser atingida, em princípio, na zona urbana. Já na zona rural, a Prefeitura pretende iniciar trabalho conjunto com a companhia para a coleta de esgotos.

    O projeto de despoluição será completado após a solução de três questões, conforme esclareceu o secretário municipal do Governo, Luiz Gonzaga Vieira de Camargo.

    O primeiro deles é um entrave com a concessionária que administra trecho da rodovia Antonio Romano Schincariol (SP-127), próximo ao Jardim Europa.

    De acordo com Gonzaga, a empresa quer receber da Sabesp uma taxa para poder liberar a passagem, como estaria estabelecido em contrato. “A Sabesp não quer pagar. Então, vamos ter que resolver isso”, declarou o secretário.

    A companhia de saneamento básico construiu uma tubulação por baixo da rodovia, mas no perímetro que está sob administração da concessionária. Gonzaga informou que a segunda empresa não autoriza a utilização da rede coletora enquanto a Sabesp não processar o pagamento de taxa.

    A segunda questão a ser resolvida com a ajuda da Prefeitura diz respeito a uma invasão de área. Gonzaga relatou que um traçado programado pela Sabesp, para realizar a obra de canalização de esgoto, não pode ser acessado pela companhia. O motivo é que o local foi ocupado irregularmente.

    “Perto do Manduca, uma área foi invadida e um barraco, construído. E o cidadão não quer desocupar. Com isso, a Sabesp interrompeu o serviço”, divulgou.

    De acordo com o secretário, faltam apenas 50 metros para a conclusão da obra. O término depende, ainda, de desapropriações de imóveis na vila Esperança e Jardim Europa. Os processos devem ser acelerados pela municipalidade.

    “Resolvendo essas três questões pontuais, vamos ter a possibilidade de, dentro de quatro a cinco meses, no máximo, anunciarmos a despoluição”, projetou.

    O secretário reforça que a Sabesp só não terminou o investimento por conta das dificuldades burocráticas. Conforme ele, a companhia sustentou ter a capacidade de concluir o projeto em 30 dias, a contar da data dos desembaraços.

    A despoluição será uma das consequências do programa de expansão de rede de coleta e tratamento de esgoto realizadas pela Sabesp na área urbana. Com a obra, o secretário destacou que todo o trecho urbano do ribeirão será despoluído.

    O Manduca possui um total de 10.475 metros de extensão, da nascente até a foz. Ele desemboca no rio Tatuí e tem como maior afluente o córrego Ponte Preta.

    De acordo com a Sema (Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente), o processo de urbanização gerou diversas implicações ambientais, impactando, principalmente, na qualidade das águas e na quantidade.

    Entre as causas que contribuíram para a degradação, estão a supressão da mata ciliar e o recebimento de dejetos domésticos, causando processos de erosão.

    Para marcar a mudança desse panorama, o secretário informou que a Sabesp e a Prefeitura estão programando a soltura de alevinos. O ato – em data que dependerá da conclusão do investimento – tem como propósito comprovar a eficiência dos trabalhos realizados para despoluição.

    “Estamos imaginando, na conclusão da entrega da rede coletora, fazermos esse gesto, até porque o Manduca estará 100% despoluído em sua extensão urbana”, argumentou.

    O secretário mencionou que a companhia procurara o Executivo por conta das possibilidades. Gonzaga disse que a Prefeitura tem mais facilidade de resolver as pendências que estão impedindo a Sabesp de avançar e concluir o projeto.

    Ainda segundo a Sema, livros de história apontam que o ribeirão recebeu o nome de Manduca, apelido de Manoel Guedes Pinto de Mello, dono da antiga Fábrica São Martinho. Nascido em Tatuí, em agosto de 1853 e falecido em abril de 1927, ele tinha o costume de passear todas as tardes na região do córrego.

    Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
    Publicidade
    Sta Tereza institucional
    Eletrofer
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Coplaspel