Tatuí, 30 de Abr de 2017
Tatui
+18...+30° C
  • A Locomotiva
  • Cláduio Aldecir - em 25/11/2016 19:35:39

    foto: Arquivo Cláudio Aldecir

    Aí está a Ferroviária de Araraquara antes de um empate em 2 a 2, pelo Campeonato Paulista. Isso em 28 de agosto de 1965, na rua Javari, frente ao Juventus.

    Em pé: Rubens Sales, Galvão, Fogueira, Fernando Sátiro, Navarro e Rodrigues. Agachados: Rossi, Djair, Téia, Felício e Bazani.

    A “Locomotiva” ganhou esse apelido por ter sido fundada por ferroviários da antiga Estrada de Ferro Araraquara, no ano de 1950. Sua trajetória para o futebol profissional foi meteórica. Já em 1957 disputava na divisão principal do futebol de São Paulo.

    Conhecida por montar sempre times competitivos, foi, por algumas vezes, a campeã do interior. Tinha fama de revelar ótimos jogadores. Entre eles, o grande ídolo do clube, Bazani. E mais: Dudu, Lance, Tales, Mauro Pastor, Maurinho, Vica, Rosã, Douglas Onça, Wilson Carrasco, Nei e Pio.

    Ficou na série principal até 1996, quando caiu para divisões menores, envolvida em graves crises financeiras.

    Em 2003 virou Ferroviária Futebol S/A, empresa para explorar comercialmente as atividades futebolísticas do clube. Remodelou seu antigo estádio, a Fonte Luminosa, e virou Arena Luminosa. Disputa, atualmente, na série A1 do Campeonato Paulista.

    Uma característica inovadora do clube foi montar equipes femininas de futebol. No começo do mês que vem, tenta o bicampeonato da Taça Libertadores da América, no Uruguai.

    As “guerreiras grenás”, como são chamadas, são orientadas pela treinadora gaúcha Michele Kanitz, professora de educação física e especialista em futebol. Michele é formada pela Universidade de Viçosa, em Minas Gerais. Ela já passou por outros clubes do país.

    É a “locomotiva” em terras estrangeiras mostrando como sempre a sua força. São histórias do futebol.


    NOTA: As fotos são do arquivo pessoal do autor, que data de 50 anos. Ele, como colecionador e historiador do futebol, mantém um acervo não somente de fotos, mas de figurinhas, álbuns, revistas, recortes e dados importantes e registros inéditos e curiosos do futebol, sem nenhuma relação como os sites que proliferam sobre o assunto na rede de computadores da atualidade